Disfunções da ATM importância de uma abordagem precoce.

A articulação temporo-mandibular (ATM) desempenha um papel fundamental no corpo humano.

ATM é a sigla que define a articulação entre a mandíbula e o crânio. Mas o que terá de tão especial esta articulação?

No fundo, permite-nos os movimentos da boca e tudo o que isso representa para o ser humano: mamar, comer, falar, beijar, sorrir, morder, cuspir, soprar, respirar, engolir, sentir o paladar…

Ainda assim, vai muito além de uma simples articulação relacionada com os movimentos da boca. Esta articulação está inserida num sistema, o sistema estomatognático, que é algo muito mais complexo e que influencia e é influenciado por outros sistemas do corpo, tais como, o sistema visual, digestivo, respiratório, metabólico-endócrino e tem ainda um papel muito importante na postura.

Isto implica uma relação profunda entre o sistema estomatognático e possíveis alterações ou disfunções entre muitos sistemas do corpo humano.

 

Quais os sintomas característicos de uma disfunção na ATM?

 

Dores na região lateral da face, dores de cabeça ou de ouvido, estalos, desalinhamento dos dos dentes superiores e inferiores, dificuldade em mastigar, dificuldade em engolir, inflamações crônicas de garganta, escoliose, bruxismo, apneia do sono, falta de concentração, diminuição da capacidade aeróbica, gastrite, entre outros.

 

Como se diagnostica?

 

Pode não ser uma tarefa fácil, pois os sintomas podem ser muito variados (não apenas locais) para além de que os desequilíbrios neste sistema são normalmente assintomáticos por muito tempo. É possível que os desequilíbrios possam ser provocados numa fase prematura (infância ou parto) e passem despercebidos durante toda a infância. Nestes casos é comum que os sintomas só mais tarde se manifestem, altura em que as estratégias de intervenção são muito mais invasivas que numa fase mais precoce.

O acompanhamento por um especialista da área pode ajudar no diagnóstico precoce.

Por outro lado, ter em consideração fatores de risco como: bebés que tenham tido problemas no parto – cesariana; alterações do formato do crânio; dificuldades na amamentação ou que não mamaram.

É muito importante acompanhar o crescimento dos primeiros dentes da criança, vigiando o alinhamento dos dentes e o movimento de abertura e fecho da boca, desvios no final da mordida ou durante a abertura são indicadores de desequilíbrio, e são fundamentais serem corrigidos o quanto antes.

Quedas importantes em que a criança bate com o queixo ou com outra área do crânio são também factores a ter em consideração.

Crianças que tenham o hábito de dormir com a mão debaixo da cara, roer as unhas, utilizar chupeta ou hábitos de mastigar apenas para um lado também podem ser factores de risco.

Alterações posturais com tendência para inclinação da cabeça para um dos lados, que não se mantém confortável quando está sentada na escola e necessita procurar “posturas estranhas” para se sentirem confortáveis, crianças que caem ou se engasgam com facilidade, que tem movimento da boca desviado para um dos lados também são alertas que devem fazer os pais procurar um profissional.

A intervenção nas disfunções do sistema estomatognático passam sempre por uma abordagem multidisciplinar!

Aos pais, educadores e profissionais de saúde cabe a responsabilidade de estarmos atentos aos sinais e aos alertas para em caso de necessidade, podermos intervir o mais precocemente possível.

 

Fisioterapeuta Vera Dias

Cédula Profissional: C-040209075 | ACSS

Cofinanciado por: