Grupos de gaguez – Porquê?

É já no próximo dia 5 de Novembro que inicia um projeto inovador no Algarve: o primeiro grupo de gaguez só para crianças. Este projeto conta com a colaboração de uma terapeuta da fala, doutorada na área da gaguez e uma psicóloga, especialista em terapias de 3ª geração.

E porquê juntar crianças que gaguejam?

Sendo a gaguez uma dificuldade que se revela maioritariamente em contexto social, faz todo o sentido abordá-la e intervir em grupo.

Na terapia em grupo é possível analisar e colocar em prática competência sociais. As crianças que gaguejam por vezes têm algumas dificuldades nestas competências, como por exemplo realizar turnos de conversação, responder adequadamente com comunicação verbal e não verbal a questões ou comentários, dar informações, entre outros…

A terapia de grupo pode constituir-se como uma oportunidade onde as crianças podem gaguejar sem se sentirem penalizadas. Durante as sessões de grupo, o sentimento de partilha e de união criado entre as crianças que gaguejam ajuda a criar uma defesa mais forte e uma adaptação às situações diárias. A interação entre crianças que gaguejam ajuda-as a perceberem que não estão sozinhas, não são as únicas que gaguejam, as únicas que têm pensamentos e emoções relacionadas com a sua fala e com elas próprias enquanto comunicadoras…e isto conduz automaticamente a uma maior motivação e auto-estima.

As sessões em grupo podem também trazer vantagens na prática das técnicas aprendidas durante as sessões individuais.

Não há dúvidas acerca das inúmeras vantagens da terapia de grupo para a gaguez. O facto de ser um grupo para crianças ainda é mais vantajoso, uma vez que aumenta o sucesso terapêutico. Sabemos que a intervenção precoce ajuda a diminuir as consequências negativas (e.g. retraimento social, baixa auto-estima) resultante de más experiências. Para além disso, na idade adulta já se poderão encontrar cristalizadas determinadas características, ao nível da personalidade, o que contribui para o insucesso terapêutico.

Terapeuta da Fala Mónica Rocha, PhD
C-033841187 | ACSS

Cofinanciado por: