Que relação existe entre Marketing Digital e Obesidade infantil?

A obesidade infantil é um grave problema de saúde pública que está diretamente relacionada com o aumento das taxas de morbilidade e mortalidade. A nível mundial, a prevalência de excesso de peso em crianças e adolescentes quadruplicou entre 1975 e 2016, e segundo a Organização Mundial de Saúde, 1 em cada 3 crianças dos 6 aos 9 anos de idade vive com excesso de peso ou obesidade. A obesidade infantil aumenta o risco para o desenvolvimento de obesidade na idade adulta, e consequentemente para o aparecimento de doenças, tais como a diabetes, as doenças cardiovasculares, e algumas formas de cancro.

Nos últimos anos, tem sido reconhecido o papel dos ambientes alimentares na prevenção e controlo da obesidade. Os estudos têm apontado para fortes associações entre o aumento da publicidade a alimentos não saudáveis e as taxas de obesidade infantil. As crianças têm uma notável capacidade de recordar os conteúdos dos anúncios a que foram expostas, tendo sido demonstrado que apenas uma única exposição à publicidade de produtos alimentares não saudáveis afeta as preferências das crianças, e que é reforçada por exposições repetidas.

A publicidade dirigida a crianças tão jovens é, pela sua própria natureza, exploradora. Na verdade, o marketing dirigido a crianças infringe alguns dos direitos que estão presentes na Convenção sobre os Direitos da Criança das Nações Unidas, nomeadamente os direitos fundamentais à saúde e alimentação, à educação e acesso à informação, e pode ainda infringir o direito de a criança estar livre de qualquer forma de exploração económica. Quando online as crianças e adolescentes são expostos à comercialização digital de alimentos não saudáveis, especialmente álcool e alimentos ricos em açúcares livres, gordura saturada e/ou sal. Sabe-se que esta exposição influencia diretamente os hábitos alimentares das crianças e, como consequência, promove ambientes alimentares obesogénicos.

A televisão é uma das principais plataformas para a publicidade alimentar e a maior parte da investigação existente que analisa o marketing alimentar dirigido às crianças tem-se concentrado na publicidade tradicional nos meios de comunicação social. Contudo, recentemente, observou-se que a televisão já não é a principal plataforma escolhida entre as crianças, tendo sido ultrapassada por plataformas de visualização online e dispositivos móveis. Também foram introduzidos os “advergames”, ou seja, a utilização de jogos online, como ferramentas para divulgar e promover marcas, produtos e /ou organizações. Para além disso, os conteúdos partilhados pelos influenciadores digitais estão associados a um grande impacto nos hábitos alimentares das crianças.

As crianças e adolescentes necessitam de proteção contra a exposição ao marketing digital, uma vez que as suas capacidades cognitivas ainda se estão a desenvolver. Depois de terem adquirido defesas cognitivas semelhantes às dos adultos, podem ser suscetíveis aos seus efeitos persuasivos. As plataformas digitais recolhem dados pessoais extensivos dos utilizadores da Internet para entregar publicidade comportamental, ou seja, elaboração de conteúdo publicitário, individualizado, para o consumidor, especificando com precisão as audiências e visando os mais vulneráveis. Apela-se à consciência social, e governamental, para esta realidade cada vez mais presente, no intuito de colocar em ação medidas preventivas de combate à obesidade infantil e para a promoção de uma alimentação mais saudável, equilibrada e sustentável, através do recurso às plataformas digitais da atualidade. 

Nutricionista Inês Antunes – Cédula profissional Nº 5012N | Ordem dos Nutricionistas.

Referências Bibliográficas:

American Psychological Associantion. The impact of food advertising on childhood obesity. (atualizado em 2010). Disponível em: https://www.apa.org/topics/obesity/food-advertising-children.

Boyland EJ, Nolan S, Kelly B, Tudur-Smith C, Jones A, Halford JC & Robinson E. Advertising as a cue to consume: a systematic review and meta-analysis of the effects of acute exposure to unhealthy food and nonalcoholic beverage advertising on intake in children and adults, 2. The American journal of clinical nutrition. 2016 Jan 20;103(2):519-33.

Coates AE, Hardman CA, Halford JC, Christiansen P & Boyland EJ. Social Media Influencer Marketing and Children’s Food Intake: A Randomized Trial. Pediatrics. 2019, Abril 1;143(4): e20182554.

Kelly, B., Halford, J. C., Boyland, E. J., Chapman, K., Bautista-Castaño, I., Berg, C., et al. (2010). Television food advertising to children: a global perspective. American journal of public health, 100(9), 1730-1736

Ministério da Saúde & Direção-Geral da Saúde. The Lisbon call to action: to protect children from obesogenic digital environments. 2021, Junho. Disponível em: https://tackleobesity.pt/activeapp/wp-content/uploads/2021/06/Call-to-action-Final-Version.pdf.

Norman J, Kelly B, McMahon AT, Boyland E, Baur LA, Chapman K, King L, Hughes C & Bauman A. Children’s self-regulation of eating provides no defense against television and online food marketing. Appetite. 2018, Junho 1; 125:438-44.

Norman J, Kelly B, McMahon AT, Boyland E, Baur LA, Chapman K, King L, Hughes C & Bauman A. Sustained impact of energy-dense TV and online food advertising on children’s dietary intake: a within-subject, randomised, crossover, counter-balanced trial. international journal of behavioral nutrition and physical activity. 2018, Dezembro; 15(1):37.

Russell SJ, Croker H, Viner RM. The effect of screen advertising on children’s dietary intake: A systematic review and meta‐analysis. Obesity Reviews. 2019, Abril; 20(4):554-68.

Tan, L., Ng, S. H., Omar, A. & Karupaiah, T. (2018). What’s on YouTube? A case study on food and beverage advertising in videos targeted at children on social media. Childhood Obesity, 14(5), 280-290.

Tatlow-Golden, M., Boyland, E., Jewell, J., Zalnieriute, M., Handsley, E. & Breda, J. (2016). Tackling food marketing to children in a digital world: trans-disciplinary perspectives. Children’s rights, evidence of impact, methodological challenges, regulatory options, and policy implications for the WHO European Region.

United Nations Children’s Fund. A child rights-based approach to food marketing: a guide for policy makers. 2018, Abril. Disponível em: https://www.unicef.nl/files/A%20Child%20Rights-Based%20Approach%20to%20Food%20Marketing_Report.pdf.

World Health Organization. Obesity and overweight: key facts 2021 (atualizado em 09/06/2021). Disponível em: https://www.who.int/news-room/factsheets/detail/obesity-and-overweight.

World Health Organization. Digital food environments (atualizado 2021). Disponível em: https://www.euro.who.int/en/health-topics/disease-prevention/nutrition/publications/2021/digital-food-environments-factsheet-2021.

World Health Organization, Regional Office for Europe. Monitoring and restricting digital marketing of unhealthy products to children and adolescents. Copenhagen: World Health Organization, Regional Office for Europe, 2019.

World Health Organization Regional Office for Europe. WHO European Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI) | Report on the fourth round of data collection, 2015–2017. Copenhagen: World Health Organization Regional Office for Europe; 2021.

Cofinanciado por: